quarta-feira, 30 de julho de 2014

COMUNICADO AOS LEITORES

Caros leitores,

Funcionários da Esalq/USP continuam em greve nesta quarta-feira, 30, e bloquearam as imediações do prédio de Economia, Administração e Sociologia, onde está localizado o Cepea. Como estamos com acesso restrito, peço a todos que se precisarem entrar em contato conosco, estamos à disposição pelos e-mails
hfcepea@usp.br ou hortifrutibrasil@gmail.com.

Agradecemos a compreensão de todos, e assim que as atividades estiverem normalizadas, informaremos através de nossas redes sociais.

Atenciosamente,
Equipe Hortifruti Brasil

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Batata: Mesmo com estiagem, safra de inverno deve ter boa produtividade


Embora a safra de inverno tenha iniciado com produtividade abaixo do potencial em algumas regiões como Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba e Vargem Grande do Sul (SP) – enquanto a região mineira começou a safra em junho, a paulista começou neste mês – a expectativa é que no decorrer da temporada o volume colhido atinja os níveis normais.

No Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba, a produtividade média em julho está próxima do potencial, de 35 t/ha na média. Já em Vargem Grande do Sul, após o início de safra com produtividade comprometida devido ao calor durante o plantio e sementes de baixa qualidade, as áreas de batata colhidas desde a semana passada já apresentaram melhora, e poderá atingir o potencial nas próximas.

Vale lembrar que ainda há o risco de falta d’água no decorrer da safra, o que poderá prejudicar as lavouras. Com a influência no El Niño no País, as chuvas, que normalmente retornam ao Sudeste a partir do final de outubro, podem atrasar, agravando ainda mais a seca na região.

Cristalina (GO), que oferta batata praticamente o ano todo, não teve problemas em sua safra. Produtores relataram que a região apresenta excelente qualidade e produtividade, em média de 42,5 t/ha. 


Cebola: Falta de água dificulta plantio em Mossoró

 
Se a seca prolongada no primeiro semestre é atípica em São Paulo e em parte de Minas Gerais, no Nordeste esse cenário não é novo. Mesmo assim, produtores de cebola de Mossoró (RN) estão com dificuldades em realizar o plantio da cebola, dado o baixo índice de chuva na região, o que dificulta a irrigação e o preparo do solo.

Devido à falta de água, as atividades de plantio de cebola estão lentas e, até o momento, só foram plantados cerca de 50 hectares, enquanto que no mesmo período da safra passada já haviam sido plantadas 300 hectares. Com isso, a expectativa de área plantada, que era em torno de 700 hectares, não ocorrerá, chegando ao máximo 400/500 hectares.

Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasil 

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Folhosas: Com seca, produtor pode optar pela hidroponia

A seca continua preocupando os produtores de folhosas das regiões de Mogi das Cruzes e Ibiúna (SP). A situação crítica de falta de água é consequência do volume de água reduzido do Alto Tietê, já que não chove um volume expressivo desde abril. Assim, a solução que alguns produtores relataram para essa problemática foi a possibilidade de troca de alface na terra por cultivo de alface hidropônica, que reutiliza água durante o ciclo, enquanto, de outros produtores, por outras culturas, como brócolis e milho.

 

Tomate: Produtores de Sumaré negociam para continuar irrigação

Não há previsão de chuvas para as principais regiões produtoras de tomate nesta semana. Essa condição pode atrapalhar ainda mais o transplantio de mudas em Sumaré (SP), região que enfrenta problemas com falta d’água há algumas semanas.

Segundo colaboradores, a prefeitura da cidade está tentando tomar posse das represas particulares que abastecem, entre outros, os produtores de tomate da região, e direcioná-las para o abastecimento de água da população, o que desfavoreceria ainda mais a produção na região. Produtores estão em negociação para poderem utilizar pelo menos metade das represas disponíveis.

Maçã: Com dormência, “frio” é contabilizado

Com a chegada do inverno no Brasil, os pomares de maçã do Sul do País estão entrando em período de dormência. Na última semana, a maior parte dos pomares de Fraiburgo e São Joaquim (SC) e Vacaria (RS) já estava em dormência. As atividades de campo de inverno (podas de formação e produção, manejo das plantas de cobertura do solo e arqueamento de ramos da macieira) têm se intensificado, devido à condição climatológica favorável – na última semana de junho, por outro lado, choveu bom volume no Sul, atrasando essas atividades.

Com os pomares em dormência, começou a ser realizada, também, a contagem de horas de frio ou unidades de frio (UF), considerando temperaturas iguais ou abaixo a 7,2°C. São necessárias de 500 a 600 horas de frio ou 1.040 a 1.155 UF para uma brotação uniforme na primavera.

Laranja: Primeiro Pepro de 14/15 tem arremate de apenas 45% dos lotes

O primeiro leilão de Pepro da safra 2014/15 foi realizado quinta, 10, pelo Governo Federal e teve arremate de apenas 45% dos prêmios ofertados. Já era esperado esse cenário, visto que muitos produtores não tiveram tempo hábil para o preparo da documentação.

Ao todo, foram arrematados prêmios para 1,351 milhão de caixas, sendo oferecidos exclusivamente para citricultores do estado de São Paulo. O prêmio inicial, de R$ 3,53/caixa, foi mantido, visto que a adesão foi menor que o volume ofertado.

A expectativa é que o próximo leilão ocorra ainda neste mês, o que pode permitir maior adesão nas operações. Produtores consideraram benéfica a iniciativa, visto que deve proporcionar uma melhora na remuneração da temporada, principalmente para os pequenos e médios citricultores.

Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasil
 

 

Edição de julho: Agentes do bem - Biológicos entram em ação!

O controle de pragas e doenças na hortifruticultura por meio de agentes biológicos e/ou microbiológico é o tema de capa da edição de julho da Hortifruti Brasil. O Controle Biológico tem crescido significativamente e vem atraindo cada vez mais produtores e grandes empresas de insumos agrícolas.

A Hortifruti Brasil procurou analisar de forma clara o suficiente para que todos os nossos leitores se inteirem sobre o assunto, formem suas opiniões e vislumbrem oportunidades.

Leia a matéria na íntegra em
http://www.cepea.esalq.usp.br/hfbrasil, além das últimas informações de mercado das 12 frutas e hortaliças de estudo da equipe.

Boa leitura!
 
Atenciosamente,
Equipe Hortifruti Brasil

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Tomate: Safra de Sumaré é ameaçada pela seca


Sumaré (SP) é uma das regiões que iriam iniciar, agora em julho, o transplantio de suas mudas de tomate da segunda parte da safra de inverno. Porém, o município está sendo ameaçado pela seca. Produtores da região, que já prepararam seus solos e já compraram suas mudas, talvez não poderão utilizar a água dos reservatórios para irrigação.

Caso isso aconteça, a maior parte dos produtores alega que não irá realizar o transplantio, uma vez que sem água há risco elevado de perder as plantas no campo. A informação de que produtores poderão ou não usar a água dos reservatórios será confirmada nesta semana.

Mesmo com início do mês, vendas são fracas

As vendas de frutas e hortaliças melhoraram um pouco do final de semana para cá, mas nem se compara com as negociações que normalmente ocorrem no início do mês.

As temperaturas mais baixas por conta da estação do frio, feriados, a realização da Copa do Mundo no Brasil e a antecipação das férias escolares são os fatores que deixam o mercado mais fraco.

Como parte dos consumidores deve receber os salários ainda esta semana, é possível que as negociações ainda ganhem um pouco de ritmo nos próximos dias. Mas muitos colaboradores consultados pela Hortifruti Brasil acreditam que apenas no final de julho/início de agosto é que as vendas podem ganhar fôlego com o retorno das aulas.

Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasil

terça-feira, 1 de julho de 2014

Consumo por folhosas está abaixo do esperado durante a Copa


A grande aposta no setor de alface era de que o consumo, especialmente de folhosas especiais, pudesse aquecer durante a Copa do Mundo no Brasil. Passado metade do evento, esse cenário ainda não foi confirmado no setor. Pelo contrário, as vendas estão abaixo do esperado, conforme agentes consultados pela HF Brasil.

Tanto a produção de alface orgânica quanto a de minimamente processadas, que foram as principais apostas para alavancar as vendas, ainda não tiveram o resultado esperado. Apenas a comercialização voltada para os restaurantes nas cidades-sedes tiveram algum impacto, mas, mesmo assim, está abaixo da expectativa inicial e não chegou a movimentar o mercado de folhosas.

Para as variedades convencionais, acaba havendo sobras nos atacados, devido à baixa procura pela folhosas. Nos dias em que a Seleção Brasileira joga, o mercado é ainda mais lento, visto que a grande maioria dos estabelecimentos encerram o expediente horas antes dos jogos.

Como é a primeira semana do mês, pode ser que as vendas se intensifiquem nos próximos dias, mas não de forma significativa, pois durante a estação do frio o consumo tipicamente é menor.

Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasil

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Copa ainda não estimula consumo de HF em hotéis e restaurantes

Foto: Reprodução

A comercialização de frutas e hortaliças tem sido considerada fraca por muitos agentes de mercado consultados pela Hortifruti Brasil desde a última semana. Um dos principais motivos são os jogos da Copa do Mundo no Brasil, que faz com que muitos brasileiros reduzam seu expediente de trabalho no intuito de acompanhar os jogos, dando preferência para o consumo de outros alimentos e bebidas. Estabelecimentos comerciais também fecham mais cedo durante os dias dos jogos da Seleção Brasileira. É o que deve ocorrer nesta segunda-feira, (23), dia de jogo do Brasil às 17h.

Além disso, e especialmente na última semana, o feriado de Corpus Christi na quinta-feira (19), também interferiu no movimento do mercado. Sem contar também a chegada do inverno no último sábado (21), o que trouxe temperaturas mais baixas em parte do Brasil, condição que normalmente já é um motivo para se consumir menos hortifrutícolas, especialmente as frutas.

Desta maneira, muitos atacadistas tiveram que reduzir seus pedidos para que não acumule mercadorias nos boxes, já que está baixo o fluxo de comercialização.

Havia a expectativa de que a demanda por frutas (como melão, mamão e banana) pelos hotéis e restaurantes, que têm recebido um maior número de turistas estrangeiros e também brasileiros desde o início da Copa do Mundo, pudesse aumentar. Mas, até o momento, o evento esportivo ainda não trouxe benefícios ao setor.

A perspectiva dos comerciantes para esta semana não deve mudar. Ou seja, muitos consumidores ainda optarão por consumir moderadamente as frutas e hortaliças, dando preferência para outros alimentos, como aperitivos e bebidas alcóolicas. Também é a última semana de junho, o que tipicamente já é um período de comércio reduzido.

Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasil