segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Proximidade do calor já influencia em maior procura por frutas


Com a proximidade da estação do calor – a primavera tem início na próxima segunda-feira, dia 22 – o mercado de algumas frutas já começa a ficar mais movimentado. Neste fim de inverno, as temperaturas estão significativamente elevadas, o que já permite que o consumidor aumente suas compras de frutas. O período de recebimento de salários também é outro fator que tem estimulado as compras nos últimos dias. Na última semana, as frutas que tiveram maior procura foram uva, maçã e melão. 

Produtores da região de Jales (SP) aumentaram a oferta de uvas no mercado, mas como o cenário está favorável, as cotações subiram nesta praça. O preço do quilo da uva niagara de Jales foi de R$ 4,04 na última semana, aumento de 12,8% sobre a semana anterior.

A maçã também foi vendida a preços mais elevados. Outro motivo que tem favorecido a valorização desta fruta é que houve redução na oferta da variedade gala. No atacado de São Paulo (Ceagesp), o preço médio da gala foi de R$ 62,50/cx de 18 kg, valor 4% maior frente ao praticado na semana passada.

Houve também maior procura para o melão, mas esses comportamento foi sentido, por enquanto, nas roças do Vale do São Francisco. Como ainda há estoques de melão amarelo nos boxes da Ceagesp, os preços ainda não subiram na ceasa. Já o melão orange teve valorização significativa na semana passada. Os estoques dessa variedade diminuiu no atacado, visto o aquecimento das temperaturas e, consequentemente, aumento na demanda. O melão orange foi comercializado à média de R$ 12,25/cx de 6 kg na Ceagesp na última semana, valorização de 20%.

Daiana Braga - Equipe Hortifruti Brasil

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Edição de setembro: Logística - por onde passam os HFs?


Hortifruti Brasil avaliou as condições das estradas e o custo dos fretes nas principais rodovias que levam as frutas e hortaliças até o maior centro de abastecimento, a Ceagesp.
 
Apesar de haver avanços na logística brasileira, o setor ainda tem que enfrentar desafios.

Saiba mais e leia a matéria completa na edição de setembro da Hortifruti Brasil na página do Cepea: 
www.cepea.esalq.usp.br/hfbrasil.

Atenciosamente,
Equipe Hortifruti Brasil

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Mercado aquece com início de mês; primavera pode estimular consumo ainda maior

 
As vendas de frutas e hortaliças estão mais aquecidas desde a semana passada. A principal explicação é o início do mês, período de recebimento dos salários de boa parte dos consumidores, que estimulam o comércio. Agentes estão otimistas que as vendas podem aumentar consideravelmente a partir deste mês com o início da primavera, quando o consumo, especialmente o de frutas, aumenta.

Além do maior ritmo de vendas de hortifrutis, a menor oferta de algumas frutas e hortaliças e o clima um pouco mais quente em algumas praças consumidoras também foram favoráveis ao consumo. Dentre os HFs beneficiados pelo período foram o melão, cenoura, manga e cebola.

Visto a diminuição da oferta de melão e as altas temperaturas no Nordeste, a demanda pela fruta superou a oferta do Vale do São Francisco nesta semana. Assim, as cotações do melão amarelo na região tiveram aumentos expressivos, superando a expectativa dos produtores da região. Na média semanal, o amarelo foi comercializado por R$ 18,75/cx de 13 kg nas roças do Vale, aumento de 21% sobre o preço médio da semana anterior.

O mercado de cenoura também foi favorecido pelo início do mês. A caixa de 20 kg da classificação 3A foi cotada a R$ 16,75, leve aumento de 1,5% em relação à semana passada. 

Houve melhora na cotação da manga na última semana. Segundo atacadistas da Ceagesp, o volume da fruta que chega à ceasa está baixo. O preço da manga tommy teve aumento de 11% na semana passada frente à anterior, enquanto a palmer subiu 27%. Com a valorização, já se observa frutas verdes chegando à central de abastecimento e, se este volume aumentar, pode ter redução nos preços nos próximos dias.

Outra cultura que está com oferta nacional limitada é a cebola. Os preços subiram em todas as regiões analisadas pelo Hortifruti/Cepea, e o aumento foi maior no Vale do São Francisco. A média semanal da cebola foi de R$ 1,42/kg na roça nordestina, alta de 67% em relação à média da semana passada.

Preços do tomate e da uva reduzem com oferta elevada

Já tomate e uva não tiveram o mesmo bom desempenho de alguns HFs, e tiveram seus preços reduzidos nos últimos dias. Dado o calor nas roças de Araguari (MG) e Mogi Guaçu (SP), a maturação do tomate foi acelerada, permitindo que produtores colhessem um maior volume de tomates. O tomate salada 2A foi comercializado entre 1° e 05/09 à média de R$ 28,59/cx de 18 kg na Ceagesp, valor 20,7% inferior se comparado à semana anterior.

Na viticultura, a safra de Jales (SP) aproxima do pico de safra, previsto para esta semana – deve se estender até o final do mês. Apesar do aumento na oferta de uvas finas na praça paulista, a qualidade satisfatória limitou uma maior desvalorização semanal. Já para a niagara, agentes informaram que a disponibilidade da variedade está menor em comparação à de finas, o que influenciou positivamente nas cotações desta variedade. A uva Itália de Jales foi negociada na última semana a R$ 2,35/kg, queda de 9,6% frente à última; a nigara obteve preço médio de R$ 3,58/kg, aumento de 7,8% na mesma comparação.

Por Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasil

 

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Nota de Esclarecimento Citros/Cepea

Face ao uso dos valores da laranja indústria do Cepea para o Leilão de Pepro, esclareceremos:

O Cepea, instituição de pesquisa da Universidade de São Paulo, não tem a responsabilidade de definir prêmios de quaisquer leilões de subvenção do Governo Federal. Cabe à Conab – Companhia Nacional de Abastecimento - tal definição.

Desde outubro de 1994, o Centro de Estudos em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, pesquisa e divulga diariamente preços da laranja negociada entre produtores e indústria. Os preços divulgados em nosso site (
www.cepea.esalq.usp.br) referem-se à média aritmética simples e têm o propósito se servir como “média” ou referência do mercado.

O Cepea está à disposição da Companhia para apoiá-la na definição da metodologia do prêmio da citricultura com todo o conteúdo que reunimos em nossas pesquisas ao longo de 20 anos.

Atenciosamente,
Margarete BoteonProfessora Esalq/USP; Coordenadora do Projeto Citros/Cepea

Fernanda Geraldini
Caroline Lorenzi
Larissa Pagliuca
Equipe Citros CEPEA/ESALQ - USP
www.cepea.esalq.usp.br/citros
hfcitros@usp.br
Fone:(19)3429-8807

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Preço da batata e do tomate está abaixo do custo de produção

Dois dos principais produtos que não faltam na mesa do consumidor, batata e tomate, estão com preços significativamente baixos. Devido às altas temperaturas nas lavouras de tomate, sobretudo em Araguari (MG), a maturação tem sido acelerada, o que aumenta a oferta do produto no mercado.

A disponibilidade do tomate é tão grande que alguns atacadistas de Belo Horizonte (MG) chegaram a vender a caixa do tomate por apenas R$ 9,00. Além da elevada oferta, as vendas também estiveram fracas. Na Ceagesp (SP), o preço médio do tomate 2A foi de R$ 23,94/cx de 18 kg, queda de 26,7% em comparação com o da semana anterior.

A colheita de batata também segue em bom ritmo, dado o clima favorável aos trabalhos de campo. Produtores de Vargem Grande do Sul (SP) e do Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba devem colher até o final do mês praticamente metade de suas áreas destinada à bataticultura. Com a redução dos preços de julho para cá, os valores da batata chegaram a ficar abaixo dos custos de produção.

Diante deste cenário, produtores de Vargem Grande do Sul podem desacelerar a colheita em setembro na expectativa de obter melhor remuneração. Nas roças paulistas, a batata padrão ágata especial foi comercializada por volta de R$ 15,00/sc na sexta-feira passada, 22.

Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasil

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Laranja: Flórida pode colher safra 2014/15 abaixo de 100 milhões de caixas


Na quinta-feira da semana passada, 14, foram divulgadas as estimativas privadas da safra de laranja da Flórida referentes à safra 2014/15, que deve começar a ser colhida em outubro. 

A multinacional Louis Dreyfus Commodities estimou que a colheita deve totalizar 96,6 milhões de caixas, 7,5% menos que a temporada anterior. Já Elisabeth Steger, consultora de citros de Orlando, foi mais pessimista, estimando que o estado norte-americano pode colher apenas 89 milhões de caixas, queda de 14,7%. 

O motivo para a redução é novamente o efeito do greening na produtividade dos pomares, que tem causado aumento na taxa de queda prematura de frutos, bem como laranjas de calibre menor. 

Se o cenário de menor oferta na Flórida se confirmar, é possível que a Flórida precise importar mais suco de laranja brasileiro, na tentativa de manter os estoques locais em bons níveis. Este aumento, contudo, pode ser limitado pela baixa demanda por suco de laranja no varejo americano.

Maçã: Geada ocorre no Sul, mas frio é benéfico

Houve geada no Sul do País de quarta para quinta-feira da última semana. O estado do Rio Grande do Sul foi o mais afetado pelo fenômeno climatológico, em especial a região de Caxias do Sul, onde parte dos pomares de maçãs precoces já estava na etapa de frutificação e parte ainda com flores. 

Dependendo da intensidade da geada, há possibilidade de redução no volume de frutas colhidas na próxima safra, segundo comentaram alguns agentes. Contudo, há o receio de que apenas algumas flores tenham sido queimadas pelo frio, de modo que a produção possa ser compensada pelas floradas tardias, mas ainda é cedo para confirmar a informação. 

Por outro lado, os pomares de gala e fuji foram beneficiados pelo frio, tendo em vista que estão em fase de dormência. Produtores seguem, também, contando as horas de frio – em Fraiburgo (SC), maleicultores puderam respirar um pouco aliviados com essa onde de frio, já que a região vinha contando com baixas Unidades de Frio até a semana passada. Segundo a previsão de agências climáticas, uma nova onda de frio intensa é esperada para o final de agosto (a partir do dia 24).

Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasil

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Hortifruti Brasil lança a Seção Eletrônica de Folhosas


A Hortifruti Brasil começará a divulgar a partir da próxima segunda-feira, dia 18, os preços das alfaces crespa, lisa e americana através da Seção Eletrônica de Folhosas. As cotações das demais 11 frutas e hortaliças de pesquisa do Hortifruti/Cepea já são enviadas aos cadastrados em nossa Comunidade Eletrônica desde 2008, e agora chega a vez das folhosas.

O levantamento dos preços das alfaces no atacado de São Paulo (Ceagesp) é diário, enquanto que nas roças de São Paulo (regiões de Mogi das Cruzes e Ibiúna) ocorre uma vez por semana.

A Seção Eletrônica de Folhosas, assim como as demais, serão enviadas toda-segunda-feira aos cadastrados, e os preços correspondem aos coletados na semana anterior.

Para começar a receber os preços das folhosas, basta fazer um cadastro gratuito em nossa Comunidade Eletrônica AQUI. Se você já recebe as demais Seções Eletrônicas e também quer receber a de alface, basta acessar seu cadastro (
www.cepea.esalq.usp.br/hfbrasil/comunidade) e selecionar a opção “Folhosas”. Se tiver dúvidas quanto ao recebimento, entre em contato com a equipe através do e-mail hfcepea@usp.br ou pelo telefone (19) 3429-8808.

Atenciosamente,
Equipe Hortifruti Brasil