segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Preço da tahiti bate recorde em novembro

O preço da lima ácida tahiti já é recorde na parcial de novembro. Apenas na última semana, os valores da fruta estiveram a R$ 73,58/cx de 27 kg, colhida. Considerando o mês de novembro, este valor é o maior já registrado de toda a série histórica do Cepea, que teve início em 1996. A maior cotação já verificada para o mês foi de R$ 46,64 em 2008.

O que explica os recordes históricos é a falta de fruta de qualidade no mercado – sem contar que é período de entressafra. Boa parte da tahiti negociada está com baixo calibre devido à forte seca no estado de São Paulo este ano. No entanto, aquele produtor que tinha frutas mais graúdas conseguiu vendê-la por mais de R$ 100,00/cx. A maioria dos produtores, no entanto, tem negociado a valores bem mais baixos, mas ainda assim é considerado satisfatório, o que segue motivando produtores a colherem a fruta antecipadamente. 
Por Daiana Braga - Equipe Hortifruti Brasil
 

PR inicia colheita de uva focando no fim do ano

Produtores de uva das regiões de Marialva e do norte do estado do Paraná (Uraí, Assaí e Bandeirantes) começaram a colheita nas últimas semanas. Boa parte desses produtores foca sua produção nas festas de fim de ano, quando a uva é uma das frutas mais consumidas nesta época, competindo no mercado com as frutas de caroço.

A safra paranaense começou com qualidade satisfatória, graças ao clima seco nos últimos meses nas regiões produtoras. Desta forma, a expectativa é que os viticultores ofertem uvas de boa qualidade até o fim do ano. Durante o desenvolvimento dos parreirais, no entanto, houve ocorrência de ventos fortes durante o período de brotação em Marialva e no norte do estado, o que pode ter diminuído a produtividade dos parreirais. Com isso, viticultores esperam que a produtividade média desta safra de final de ano seja menor frente às anteriores.
 
Com o início das atividades de campo nas regiões paranaenses, os preços da uva no mercado reduziram nos últimos dias. O preço médio da uva itália em Marialva foi de R$ 3,50/kg na última semana, queda de 8,4% frente à última semana. No norte do PR, a variedade foi comercializada a R$ 3,90, redução de R$ 2,5% na mesma comparação. 
 
Por Daiana Braga - Equipe Hortifruti Brasil


 

Chuva se concentra no Nordeste do País

A semana deve ser chuvosa no Vale do São Francisco, segundo a Somar Meteorologia, importante região produtora de frutas do Nordeste, sobretudo para exportação (manga e uva). Algumas precipitações já foram observadas na região na última semana, o que já animou produtores da região. Mesmo em baixo volume, as chuvas já amenizaram um pouco a situação, sobretudo do solo, que estava muito seco por conta da longa estiagem na região.

Além do Vale do São Francisco, as chuvas também marcarão presença em Irecê e na Chapada Diamantina (BA), algumas das principais regiões produtoras de hortaliças, como cenoura, cebola e batata. Se por um lado a previsão de chuva pode interferir um pouco nas atividades de campo, por outra pode favorecer o aumento dos investimentos para a próxima safra.

Por Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasil

 

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

I Workshop em Mecanização Agrícola, do Gelq/Esalq

Clique no cartaz para melhor visualização
O Grupo de Estudos Luiz de Queiroz (Gelq) convida-o para o evento "I Workshop em Mecanização Agrícola - Tecnologia de aplicação", que ocorrerá no dia 22 de novembro de 2014, a partir das 7h30 nas dependências da Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" (ESALQ/USP), no auditório “Maracanã” e nas dependências da CASE, em Piracicaba (SP).

Este evento tem como objetivo apresentar as técnicas mais recentes relacionadas à aplicação de produtos fitossanitários. Serão apresentadas aulas teóricas práticas que abordarão as áreas de maquinário, regulagem, aplicação e manutenção. O objetivo ao final do curso é a de que os participantes saiam do Workshop sendo capazes de realizar todas as operações envolvidas no processo de aplicação de produtos fitossinatários de maneira eficiente e segura.

As inscrições podem ser feitas pelo site:
http://fealq.org.br/informacoes-do-evento/?id=196.
 
 Atenciosamente,
Equipe Hortifruti Brasil

Edição de novembro - Especial Uva: niagara toma espaço da uva fina em SP

A Hortifruti Brasil publica o Especial Uva na edição de novembro e analisa a competitividade da uva niagara no estado de São Paulo. São apresentados os custos de produção da variedade em 3 das principais regiões produtoras do estado de São Paulo: Campinas, São Miguel Arcanjo e Jales.

Todo o estudo de competitividade da uva niagara é feito com discussões sobre três sistemas de condução na viticultura paulista: espaldeira, latada e o promissor sistema “Y”.

Leia o estudo completo em
www.cepea.esalq.usp.br/hfbrasil.
 
Atenciosamente,
Equipe Hortifruti Brasil
 

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Retorno das chuvas traz alívio para a hortifruticultura do Sudeste


A tão esperada chuva voltou ao Sudeste na última semana, após a longa e mais severa seca já ocorrida na região. Apesar de ainda não serem volumosas, as precipitações já trouxeram alívio para produtores de frutas e hortaliças na região, sobretudo no estado de São Paulo.

As chuvas registradas na última semana em praticamente todo o cinturão paulista de laranja trouxeram certo ânimo aos produtores. As frutas que estão prontas para a colheita já estão mais revigoradas, o que tem permitido maior remuneração. Isso já tem reduzido o valor de venda da laranja irrigada quanto à de sequeiro. Há duas semanas, a laranja irrigada estava sendo vendida por até R$ 5,00 a mais que as de sequeiro e, na última semana, essa diferença caiu para R$ 2,00.

Produtores que manga em São Paulo também comemoram o fim da seca. Na região de Monte Alto, umas das principais produtoras da fruta, choveu cerca de 90 mm nesta semana. Assim como a laranja, a qualidade da manga também deve melhorar, sobretudo no calibre, já que as frutas comercializadas até então estava miúdas.

Com a chuva, o cenário também é otimista para a banana. O Vale do Ribeira, importante região produtora da fruta do País, vinha lutando contra os efeitos negativos do calor e da seca, e com o aumento da umidade, já se espera que bananas de melhor qualidade no mercado.

Além de São Paulo, outros estados do Sudeste que igualmente enfrentavam a falta de chuva, também foram beneficiados pelas chuvas dos últimos dias, como Minas Gerais. Pela primeira vez no ano, o Cerrado Mineiro recebeu chuvas de boa intensidade – a região é uma das principais produtoras de cenoura do País. As lavouras que estão com estágio elevado de desenvolvimento não conseguiram se recuperar, pois as cenouras tiveram dificuldades de engrossar com a seca.

Mas produtores mineiros estão otimistas de que haja continuidade das chuvas, as quais podem melhorar a qualidade da raiz. Além disso, precipitações mais regulares poderão recuperar a área da safra de verão de cenoura do Cerrado Mineiro, que pode ter reduzido 5% por conta dos efeitos da estiagem. 

A chuva também alcançou o estado do Espírito Santo. Produtores de mamão do estado informaram ao Cepea que a qualidade da fruta está melhorando: houve melhora no calibre da fruta, que estavam abaixo do ideal para comercialização. Além disso, os pés de mamão passaram a produzir mais, pois a maturação foi acelerada por conta também das elevadas temperaturas no estado capixaba. Mesmo que as chuvas sejam bem-vindas, produtores de mamão devem ficar atentos caso haja excesso de umidade, o que pode permitir o surgimento de doenças fúngicas, desvalorizando a fruta do Espírito Santo.

Neste início de semana, uma frente fria está atuando sobre o Sudeste e deve trazer bons volumes de chuva, sobretudo para o Espírito Santo, segundo previsões da Climatempo. Fortes pancadas de chuva acompanhadas de raios e rajadas fortes de vento são previstos em todo o estado mas principalmente no centro-norte capixaba. 

Para São Paulo e Minas Gerais, alguma nebulosidade ainda pode ocorrer nesta segunda-feira, 10, mas o tempo firme volta a predominar até meados desta semana. A partir de quinta-feira, 12, novas precipitações deverão ocorrer nos estados, com risco, inclusive, de temporais, conforme prevê a Climatempo.

Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasil

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

MG envia prata para a Europa

Nesta semana, Portugal receberá o primeiro contêiner de banana prata produzida na região Norte de Minas Gerais. Após dois anos de pesquisas para encontrar o ponto certo de colheita, assim como para desenvolver técnicas de refrigeração ideais para que a fruta chegasse em boas condições para consumo na Europa, o embarque foi finalmente efetuado no dia 15 de outubro.

O projeto, desenvolvido pela Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg) com apoio do Sebrae/MG, objetiva abrir portas para a exportação da fruta mineira. Caso bem sucedido, a região será a primeira do País a exportar a variedade prata.

Além do norte mineiro, Santa Catarina também exporta bananas, mas para os países do Mercosul.

Laranja irrigada custa até R$ 5,00/cx a mais no mercado de mesa

Citricultores paulistas continuam preocupados com a falta de chuvas, que vem prejudicando a qualidade das frutas de mesa. Neste fim de semana, algumas localidades do estado receberam chuvas um pouco mais intensas, enquanto, em outras, as precipitações ainda foram insignificantes.

As laranjas murchas e de menor tamanho são menos aceitas e acabam tendo preços mais baixos. Em alguns casos, a diferença de valor entre a fruta irrigada e a de sequeiro chega a R$ 5,00/cx de 40,8 kg no mercado in natura de São Paulo.

Um alento é a previsão de chuvas para esta semana nas regiões paulistas, cujos volumes devem ser mais significativos que os verificados na maior parte do mês de outubro. Segundo a Somar Meteorologia, em Limeira, deve chover 74 mm entre o dia 1º e 9; em Araraquara, 96 mm, enquanto em Avaré são esperados 75 mm. Já em Bebedouro, o acumulado no período deve ser menor, de 42 mm.

Por Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasil