segunda-feira, 18 de maio de 2015

Preço da nanica em SC cai pela sexta semana consecutiva

As cotações da banana nanica continuaram em baixa na última semana, mesmo com a baixa oferta. Segundo bananicultores, mesmo com queda na produtividade, há sobra de frutas em algumas roças. No Norte de Santa Catarina, a fruta desvalorizou 10% na semana passada frente à anterior, a R$ 0,30/kg. Com isso, a região chegou à sexta semana de queda consecutiva nas cotações desta variedade. Apenas no Vale do Ribeira (SP) os preços continuam estáveis, com o quilo da fruta a R$ 0,70.

Produtores esperavam que o mês de maio começasse com procura mais aquecida que a do mês anterior. Por outro lado, atacadistas informaram que a queda na demanda foi evidente e que o mercado “esfriou” na primeira quinzena de maio. Além da menor procura pela fruta, a maior oferta de frutas concorrentes, como a tangerina poncã, e a crise econômica continuam afetando o consumo.

Somadas a isso, as baixas temperaturas e as garoas em São Paulo fizeram as compras diminuírem na Ceagesp. Tanto produtores quanto atacadistas estão preocupados e desanimados com o mercado de banana nanica. Um aumento na oferta pode fazer com que as cotações cheguem a patamares abaixo do custo de produção.

Chuva de granizo prejudica lavouras em Sumaré

No último dia 10, o granizo atingiu algumas lavouras de tomate na região de Sumaré (SP). Outra região produtora de tomate, Reserva (PR), também sofreu com os efeitos do granizo no final de abril, fenômeno que causou perdas de 700 mil pés de tomate.
 
Os prejuízos em Sumaré ainda não foram contabilizados, porém produtores acreditam que houve perdas em torno de 300 mil pés. Algumas lavouras tiveram perda total, o que obrigou os tomateiros a acionarem o seguro. Já outras lavouras atingidas, onde ainda está sendo realizada a colheita, poderão produzir frutos de baixa qualidade.
 
O preço em Sumaré, que já se mostra elevado – a média da última semana foi de R$ 87,50/cx de 23 kg para o salada AA – poderá subir mais nesta semana, já que há uma tendência de nova redução na oferta.
Por Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasil

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Edição de maio: Especial Citros

A Hortifruti Brasil acaba de lançar o Especial Citros na edição de maio. A edição traz uma retrospectiva das três safras anteriores que marcaram a recente crise na citricultura, e apresenta perspectivas para a temporada 2015/16, que já sinaliza preços mais remuneradores. A matéria traz, ainda, índices técnicos que podem auxiliar o produtor em prol da melhor eficiência técnica da fazenda.

O Especial Citros será especialmente distribuído na 37ª Semana de Citricultura, que ocorrerá de 25 a 28 de maio, em Cordeirópolis (SP).

Ainda nesta edição, os analistas de mercado levantaram as últimas informações de mercado das 13 frutas e hortaliças analisadas pela equipe.

Acesse já a versão eletrônica completa da edição de maio na página da Hortifruti Brasil:
www.cepea.esalq.usp.br/hfbrasil.

Atenciosamente,
Equipe Hortifruti Brasil 
(19) 3429-8808

 

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Preço do tomate dispara 95% com menor oferta

Os preços do tomate dispararam 95% na última semana, fechando na Ceagesp a R$ 88,22/cx de 23 kg. Essa expressiva alta nos preços foi consequência da redução na oferta do produto, uma vez que a maturação esteve atrasada em todas as lavouras devido ao clima mais frio e às chuvas em algumas regiões. Segundo atacadistas, foi predominante a presença de tomates verdes nos boxes do atacado.

Outro fator que contribuiu com a diminuição na oferta foi o granizo na região de Reserva (PR) no final de abril, que destruiu cerca de 700 mil pés. No Sul de Minas, bactérias também acarretaram em perdas de aproximadamente 700 mil de pés. Para esta semana, as cotações tendem a continuar em patamares elevados, pois segundo a Somar Meteorologia, haverá chuvas na maioria das regiões que colhem no momento (Norte do Paraná, Mogi Guaçu e Sumaré/SP, Araguari/MG e Paty do Alferes/RJ), o que pode continuar segurando a maturação.

Granizo causa perdas de 700 mil pés de tomate em Reserva

Houve granizo na região de Reserva (PR) na segunda quinzena de abril, que segue para o fim da segunda parte da safra de verão. Ocorreram ainda fortes vendavais, que causaram perdas no total de 700 mil pés de tomate. Haviam 500 mil pés que já estavam sendo colhidos e mais 200 mil que ainda partiriam para o primeiro cacho – poucos desses pés era segurados. Deste modo, houve forte redução no volume ofertado nos mercados abastecidos por Reserva, como SP, MG, GO e Curitiba/PR, contribuindo com a alta significativa nos preços.

Por Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasil

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Chuvas em GO afetam produção de melancia e cenoura

As chuvas fortes ao longo do mês de abril causaram problemas em algumas lavouras de melancia em Goiás, reduzindo a qualidade das frutas. No entanto, produtores não reportaram perdas na produção. Com previsão de queda no volume das chuvas nesta semana no estado, a qualidade, o escoamento e oferta em Goiás podem melhorar daqui para a frente. O volume de chuvas deve ser baixo na primeira semana de maio para as regiões produtoras de melancia em Uruana (GO). O volume acumulado semanal deve chegar a 10 mm, o que pode favorecer a colheita e aumentar a oferta local.

As chuvas em Goiás no mês passado também dificultaram o desenvolvimento normal das cenouras. Conforme explicação de produtores, com elevada umidade as raízes não “afundam” na terra e nem engrossam, deixando-as com aparência fina e miúda, além de criar ambiente propício para o desenvolvimento de “mela”. Diante deste cenário, a oferta de cenouras goianas em maio seja menor por conta da redução na produtividade.

Por Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasil





segunda-feira, 27 de abril de 2015

Sul encerra safra de cebola no azul

Produtores de Ituporanga (SC), uma das principais regiões produtoras de cebola do País, estão no fim da safra de cebola. Até a semana passada, os preços seguiram em bons patamares ao produtor. A média da cebola beneficiada foi de R$ 47,20/sc de 20 kg para a caixa 3, alta de 1,3% em relação à semana anterior. Já o preço médio do quilo do bulbo foi comercializado por R$ 2,00/kg.

Os últimos lotes ofertados em Ituporanga tiveram elevado descarte, devido ao longo período de armazenamento. Esse cenário ainda foi associado ao fato de, durante a temporada, o clima foi chuvoso e, com isso, aumentou o índice de doenças no pós-colheita. Apesar do elevado descarte, a qualidade dos bulbos da praça catarinense estava satisfatória nas últimas semanas, pois eram os bulbos colhidos até o final de janeiro, quando choveu em menos intensidade e, portanto, com menos problemas como bico d’água e podridão.

Com Ituporanga finalizando a safra, apenas alguns produtores do Vale do São Francisco têm oferecido a cebola, adiantando a colheita com a intenção de aproveitar os bons preços no mercado. No entanto, uma parte dos bulbos foi colhida antes de atingir o ciclo completo, e com isso não apresenta o padrão ideal de qualidade.

Por enquanto, a oferta de cebola do Nordeste é bem baixa. Até maio, produtores do Nordeste devem colher apenas 5% da área total da região deve ser colhida. O pico de oferta deverá ocorrer entre os meses de junho e julho, quando serão colhidos cerca de 50% do volume total da safra. Além do Nordeste, as praças de Piedade e Divinolândia (SP) devem dar início à sua colheita e comercialização de bulbinhos entre o final de maio e início de junho.

Por Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasil

 

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Saem primeiros contratos de laranja da safra 2015/16

Os primeiros contratos envolvendo a laranja da safra 2015/16 começam a ser fechados por duas das três grandes indústrias de suco de São Paulo. Uma das empresas fechou novos contratos entre US$ 4,50 e US$ 5,50/cx de 40,8 kg, fruta colhida e posta na indústria. 


Já uma outra fábrica optou por não incluir o dólar em suas propostas, oferecendo um adiantamento (que seria pago já em 2015/16) de R$ 14,00/cx de 40,8 kg para a pera e as tardias, também colhidas e postas na indústria.

Os valores de contrato oferecidos em dólar são vistos como muito atrativo aos produtores, visto que o dólar está valorizado frente ao Real – na última sexta-feira, 17, a moeda norte-americana fechou a R$ 3,044. O valor em reais também é considerado satisfatório por produtores, principalmente por incluir, ainda, um adicional de participação no preço de venda do suco que será pago em fevereiro de 2017.

Plantio de batata de inverno ganha ritmo em Vargem Grande do Sul


O plantio de batata da safra de inverno 2015 vem ganhando intensidade em Vargem Grande do Sul (SP). O planejamento inicial dos produtores era de aumentar a área cultivada em março, mas as chuvas na região limitaram os trabalhos e, em conjunto com as altas temperaturas, acabaram resultando no apodrecimento de sementes em algumas áreas cultivadas.

Com os atrasos em Vargem Grande do Sul, deverá haver uma concentração maior do plantio em junho. A previsão inicial de produtores desta região é de manutenção da área plantada, sustentada pelo melhora nas condições hídricas da região. A colheita na praça paulista deve ser iniciada em julho e prosseguir até setembro.

Por Daiana Braga – Equipe Hortifruti Brasil





segunda-feira, 13 de abril de 2015

Edição de abril: 14 anos da Hortifruti Brasil


Em mais um aniversário, a Hortifruti Brasil preparou uma edição especial contando sua trajetória ao longo dos seus 14 anos. A matéria também detalha todas as ferramentas da HF Brasil que disponibiliza informações de hortifrutícolas na internet. Convidamos, ainda, alguns leitores para contarem suas histórias no setor.

Ainda nesta edição, os analistas de mercado da Hortifruti Brasil também levantaram os principais acontecimentos no mercado de 13 frutas e hortaliças, que você pode conferir nas Seções de cada cultura.

A edição comemorativa e tudo sobre o setor hortifrutícola já está disponível na íntegra em
www.cepea.esalq.usp.br/hfbrasil.
 
Boa leitura!
 
Atenciosamente,
Equipe Hortifruti Brasil
(19) 3429-8808